Relatório mostrando exemplo de cálculo de valor da empresa pelo faturamento

Saiba Como Calcular o Valor de uma Empresa pelo Faturamento

Calcular o valor da sua empresa pode parecer uma tarefa extremamente complexa, especialmente se você está se aventurando pela primeira vez nesse universo complexo e cheio de números e fórmulas.

Mas não se preocupe! Não é preciso ser um mágico das finanças para entender como avaliar a sua empresa com base no faturamento. Neste artigo, vamos descomplicar esse processo e mostrar que, com algumas dicas e um pouco de orientação, você pode fazer um valuation preciso da sua empresa de forma simples e descomplicada.

Pense no faturamento (ou receitas) da sua empresa como o pontapé inicial de uma jornada emocionante. É esse número que vai te dar as primeiras pistas sobre o valor do seu negócio.

Mas como transformar esses números em uma estimativa de valor real?

Calma, que vamos te guiar por esse caminho, mostrando que, com um pouco de paciência e as informações certas, fazer o valuation da sua empresa pode ser mais fácil do que você imagina. Preparado para mergulhar nesse mundo e descobrir como avaliar seu negócio a partir do seu faturamento?

Vamos lá!

Por que o Faturamento é tão Importante no Processo de Valuation?

Se você já conversou com alguém sobre avaliação de empresas ou ainda estudou (mesmo que muito pouco) o tema, saberá que a palavra mais falada é sempre o faturamento.

O faturamento, que é basicamente o total de dinheiro que a empresa recebe pela venda de seus produtos ou serviços antes de qualquer despesa ser subtraída. Embora possa parecer apenas mais um número entre tantos, o faturamento tem um papel extremamente importante nessa história.

Imagine o faturamento como o primeiro sinal de vida de uma empresa no mundo dos negócios. É uma demonstração de que o mercado responde ao que ela oferece, traduzido em receita. Em termos simples, quanto mais uma empresa vende, mais ela fatura.

E um faturamento alto pode ser um sinal de saúde e de potencial de crescimento, aspectos que são muito atraentes para investidores e para quem está avaliando o valor da empresa.

Ou seja, o faturamento tem um grande impacto no valuation da sua empresa. Como você já devia suspeitar.

Porém, o faturamento não conta toda a história sozinho. Ele é como a ponta do iceberg, oferecendo uma visão inicial do potencial de uma empresa, mas sem mergulhar nas complexidades de custos, dívidas e outras operações financeiras.

No entanto, é um ótimo ponto de partida para o valuation, porque dá uma base tangível para começar a avaliação. Se uma empresa tem um faturamento crescente, isso sugere que ela tem algo que atrai os clientes e que há um mercado para seus produtos ou serviços.

Faturamento pode ser uma forma para calcular valor da empresa

O faturamento ajuda a comparar empresas de forma mais objetiva. Mesmo que duas empresas operem em setores completamente diferentes, o faturamento oferece uma métrica comum para começar as comparações.

É como se fosse uma linguagem universal nos negócios, ajudando a nivelar o campo de jogo para que investidores e avaliadores possam fazer comparações justas.

Em resumo, o faturamento é uma peça fundamental no quebra-cabeça do valuation porque oferece uma medida clara da capacidade de uma empresa de gerar receita. Ele serve como um sinalizador de saúde, crescimento e atratividade, facilitando a vida de quem está tentando entender o valor de uma empresa.

Claro, o faturamento é apenas o começo da jornada de avaliação, mas é um bom ponto de partida para desvendar o valor real de um empreendimento no competitivo mundo dos negócios.

Começando o Valuation Utilizando o Faturamento: Primeiros Passos

Como você já deve imaginar, o primeiro passo, obviamente é olhar para o quanto a empresa fatura, ou seja, sua receita total antes de subtrair quaisquer despesas. A partir daí, dois métodos se destacam como os mais populares para transformar esses números em uma avaliação de valor: o fluxo de caixa descontado e o múltiplo de faturamento.

O método do fluxo de caixa descontado é como um olhar através de uma bola de cristal financeira. Ele tenta prever o futuro, estimando quanto dinheiro a empresa vai gerar ao longo do tempo e, depois, trazendo esse valor para o presente usando uma taxa de desconto. Essa abordagem considera não só o faturamento atual, mas também o potencial de crescimento da empresa, sendo uma forma bastante abrangente e sólida de avaliação.

Já o método do múltiplo de faturamento segue uma lógica um pouco mais direta. Ele consiste em aplicar um “múltiplo”, que é basicamente um número baseado em comparações com empresas similares no mercado, ao faturamento atual da empresa.

Esse múltiplo reflete o quanto os investidores estão dispostos a pagar por cada real de faturamento. Esse método é bastante utilizado por sua simplicidade e praticidade, especialmente em setores onde há muitos dados comparativos disponíveis.

Resumindo tudo que escrevi acima, ao iniciar o valuation de uma empresa pelo faturamento, é necessário escolher o método que melhor se adapta às características e ao contexto do negócio. Seja projetando os futuros fluxos de caixa ou aplicando múltiplos de faturamento, o importante é ter uma abordagem clara e objetiva que permita uma avaliação justa e representativa do verdadeiro valor da empresa.

Como calcular o valor de uma empresa pelo fluxo de caixa

Calcular o valor de uma empresa usando o método do fluxo de caixa descontado (FCD) pode parecer algo saído de um curso avançado de finanças, mas vou tentar simplificar isso, prometo.

Vamos tentar imaginar que você está tentando descobrir quanto vale uma máquina de fazer dinheiro (no caso sua empresa), não apenas pelo que ela produziu até hoje, mas por todo o dinheiro que pode gerar no futuro. O FCD é basicamente isso: uma maneira de avaliar o “preço” atual da empresa baseado no dinheiro que ela espera fazer mais tarde.

Agora, focando no faturamento como peça chave dessa análise: o faturamento é o ponto de partida, pois indica a quantidade de dinheiro que a empresa recebe pela venda de seus produtos ou serviços.

No entanto, o que realmente interessa aqui é o fluxo de caixa livre, que é o dinheiro que sobra depois de pagar todas as contas e reinvestir no negócio para mantê-lo crescendo. Esse fluxo de caixa livre é o herói da nossa história, pois é ele que será descontado para o presente.

É simplesmente a melhor medida de lucratividade operacional após impostos que especialistas sérios em valuation utilizam para projetar o crescimento de qualquer negócio.

Ou será que sua empresa consegue crescer sem o devido reinvestimento?

Do ponto de vista de valuation, posso te garantir que é impossível.

Primeiro, você precisa estimar esse fluxo de caixa para os próximos anos. Isso envolve olhar para o faturamento atual e como você espera que ele cresça. Vamos dizer que você espera aumentar o faturamento em 5% ao ano.

Com base nisso, você calcula quanto dinheiro acha que a empresa vai gerar depois de cobrir custos operacionais, impostos, e reinvestimentos. Essa projeção se estende por um período, que pode ser de cinco, dez anos ou até mais, dependendo do quão longe você consegue prever com uma boa dose de confiança.

Depois, vem a parte do “desconto”.

Para trazer o valor desses futuros fluxos de caixa para o presente, você usa uma taxa de desconto.

Essa taxa reflete o risco do negócio (também o custo de oportunidade) e o valor do dinheiro com o tempo (afinal, um real hoje não vale o mesmo que um real daqui a dez anos, certo?).

Quanto maior o risco, maior a taxa de desconto. Isso significa que o valor presente do fluxo de caixa será menor, pois fluxos de caixa futuros são “descontados” mais severamente em negócios arriscados.

Somando o valor presente de todos esses fluxos de caixa projetados, você chega ao valor atual da empresa.

Parece complicado?

Pode ser um pouco no começo, mas o que você está fazendo é basicamente dizer: “Se eu espero que a empresa faça X reais nos próximos anos, quanto vale esse dinheiro para mim hoje, considerando os riscos e a espera?”.

E assim, usando o faturamento como a base para calcular o fluxo de caixa e ajustando pelo risco com a taxa de desconto, você consegue uma estimativa sólida de quanto a empresa vale.

É como olhar para o futuro financeiro da empresa através de uma lente mágica que ajusta o valor do dinheiro ao longo do tempo e traz tudo para o valor de hoje, até para ver se vale a pena investir/continuar com a operação.

Aprenda a calcular através do FCD você mesmo

O eBook da Valutech sobre valuation para PMEs se destaca por oferecer um exemplo prático e fácil de entender de como utilizar o método do fluxo de caixa descontado.

Além disso, ele promete desmistificar os 10 maiores mitos sobre valuation em pequenas e médias empresas, proporcionando um conhecimento valioso que vai além da simples teoria.

Com 30 páginas detalhadas, o guia é uma ferramenta rica para aqueles que desejam aprender a avaliar suas empresas sem a necessidade de especialistas externos.

O material é especialmente útil por ser um dos poucos recursos que consideram as peculiaridades das PMEs no processo de valuation, oferecendo insights práticos e aplicáveis​.

Grátis por tempo limitado.

Ebook Grátis Valuation

Como calcular o valor de uma empresa através dos múltiplos de faturamento

Calcular o valor de uma empresa usando o método dos múltiplos de faturamento é um pouco como tentar determinar o preço de um carro usado olhando para o que outras pessoas pagaram por carros similares.

Basicamente, você está tentando dizer: “Se empresas similares à minha são vendidas por X vezes o faturamento, então minha empresa deve valer algo parecido”.

Parece simples, não?

Bom, na prática, pode ser um pouco mais complicado.

Primeiro, o que significa esse “múltiplo de faturamento”?

Vamos imaginar que você descobre que empresas no mesmo setor que o seu, e de tamanho similar, geralmente são vendidas por três vezes o valor do faturamento anual. Isso significa que, se o seu negócio faturou R$1 milhão no último ano, usando esse múltiplo, sua empresa poderia ser avaliada em R$3 milhões.

Esse cálculo dá uma ideia rápida do valor da sua empresa baseada no faturamento, o que é bastante útil para dar uma noção geral de valor sem entrar em muitos detalhes complicados.

No entanto, é exatamente aí que mora o desafio.

Conseguir informações precisas e relevantes sobre vendas de empresas similares (no caso privadas, não as negociadas na bolsa) não é tarefa fácil.

Diferente de carros usados, onde você pode facilmente encontrar anúncios e preços online, as informações sobre vendas de empresas não são tão acessíveis.

Muitas vezes, esses detalhes são mantidos em segredo por questões de privacidade e competitividade. Você raramente tem acesso ao contrato inteiro de venda, o que significa que detalhes específicos e importantes que influenciaram o preço não vão estar disponíveis.

Isso torna difícil comparar de forma justa e precisa.

Além disso, cada empresa é única.

Mesmo no mesmo setor, diferenças em localização, base de clientes, crescimento potencial e muitos outros fatores podem influenciar significativamente o valor de uma empresa. O método dos múltiplos de faturamento assume que essas diferenças podem ser resumidas em um único número, o que nem sempre é verdade.

Por essas razões, o método dos múltiplos de faturamento é mais utilizado como um ponto de partida rápido ou uma verificação de sanidade para avaliações mais detalhadas, em vez de ser a única ferramenta de avaliação. É como tentar avaliar o sabor de um prato apenas olhando para ele: você pode ter uma ideia geral, mas só vai conhecer de verdade quando mergulhar mais fundo nos detalhes.

Erros mais Comuns ao Utilizar o Método de Múltiplos de Faturamento

O método dos múltiplos de faturamento, apesar de sua simplicidade e praticidade, esconde algumas armadilhas que podem levar a avaliações imprecisas se não for utilizado com cuidado. Um dos erros mais comuns é justamente achar que essa simplicidade dispensa uma análise utilizando um método mais aprofundado, como o fluxo de caixa descontado. Vejamos alguns desses equívocos comuns:

  1. Comparar Maçãs com Laranjas: Imagina tentar comparar o valor de uma padaria de bairro com o de uma rede de tecnologia só porque ambos têm faturamentos similares. Parece loucura, certo? Na prática é exatamente isso que acontece quando não se consideram as especificidades de cada setor ou as condições de mercado na utilização de múltiplos de faturamento. Diferentes indústrias podem ter padrões de avaliação muito distintos, o que torna essencial escolher empresas realmente comparáveis.
  2. Ignorar o Contexto Econômico: O cenário econômico também influencia muito o valor dos múltiplos. Por exemplo, em tempos de crise, taxas de juros oscilantes, os múltiplos podem cair, refletindo a maior aversão ao risco dos investidores. Usar múltiplos desatualizados ou que não refletem o momento econômico atual pode distorcer significativamente a avaliação.
  3. Depender de Dados Pouco Confiáveis: Aqui está um ponto crítico. A maioria dos dados sobre vendas de empresas não é publicada abertamente, tornando difícil encontrar informações confiáveis. Até a presente data, uma das poucas fontes reconhecidas por sua confiabilidade e abrangência de dados sobre múltiplos de pequenas e médias empresas é a Valutech. A Valutech se destaca por oferecer um banco de dados detalhado e atualizado, o que é uma raridade no mercado. Contar com dados de fontes duvidosas ou não especializadas pode levar a conclusões erradas sobre o valor da empresa.
  4. Subestimar a Importância de Fatores Não-Financeiros: Muitas vezes, fatores como a localização da empresa, a força da marca, ou o capital humano são subestimados ou mesmo ignorados quando se usa o método dos múltiplos de faturamento. Ou seja, esses elementos intangíveis podem ter um impacto significativo no valor real da empresa.
  5. Usar Múltiplos Genéricos: Aplicar um múltiplo genérico a todas as empresas (está pensando no múltiplo de 10x o faturamento, acertei?), sem ajustar para particularidades específicas, é outra falha comum. As empresas não são blocos homogêneos; cada uma tem suas peculiaridades que podem justificar múltiplos mais altos ou mais baixos. Sem ajustes personalizados, o risco de uma avaliação imprecisa é praticamente certo.

Finalizando, enquanto o método dos múltiplos de faturamento oferece uma maneira rápida de estimar o valor de uma empresa, ele vem com suas próprias limitações. Uma abordagem cuidadosa, que leva em conta a especificidade do setor, o contexto econômico, a qualidade dos dados e os fatores não-financeiros, é crucial para chegar a uma avaliação mais precisa e significativa.

Outro ponto importante é que tentar justificar que “a empresa X foi vendida por tantas vezes seu faturamento” não convence ninguém a comprar ou investir em sua empresa se sua única arma de convencimento seguir esse raciocínio. No vídeo abaixo, você poderá entender melhor sobre os erros mais comuns ao calcular o valor de uma empresa.

Veja esse e outros conteúdos no nosso canal do Youtube.

Conclusão

Avaliar o valor de uma empresa é adquirir um conhecimento muito poderoso, seja para venda, investimento ou simplesmente para entender melhor sua posição no mercado.

Métodos como o fluxo de caixa descontado e o uso de múltiplos de faturamento, embora distintos, fornecem ferramentas valiosas para essa finalidade.

Apesar disso, cada abordagem tem suas limitações e desafios, especialmente quando se trata de encontrar dados confiáveis e aplicar as técnicas corretamente.

Recursos como o eBook da Valutech podem ser extremamente úteis para navegar por essas complexidades, oferecendo orientação prática e acessível.